RNPOLITICAEMDIA2012.BLOGSPOT.COM

RNPOLITICAEMDIA2012.BLOGSPOT.COM
RIO GRANDE DO NORTE

CANAL RNPOLITICAEMDIA

sábado, 23 de julho de 2016

DEU NO EM PAUTA...

Depois de uma longa reunião com o prefeito Arthur Targino (PMDB), o vice-prefeito Genésio Pinto Neto, o Pôla Pinto (PT) e vereadores da base aliada, a ex-prefeita Shirley Targino (PR), confirmou ao Jornal Defato que estará colocando seu nome a disposição do grupo para concorrer ao comando da prefeitura de Messias Targino.
Ela disse que embora o atual prefeito, tenha todo o direito de disputar a reeleição, o grupo entende que não existe nenhum problema em ter outro nome no grupo para que através de consulta popular possa se escolher quem deve ser o candidato. “Quero deixar claro que não existe qualquer tipo desentendimento com o prefeito Arthur Targino, mas ele está com muitos compromissos pessoas e cursando faculdade e isso está o deixando muito atarefado. Mas se o grupo e o povo optar por ele, apoiaremos a decisão, assim como se o meu nome for o escolhido, eu terei o apoio dele e dos demais”, disse.
A ex-prefeita confirmou ainda que um nova reunião está agendada para o próximo dia 30, quando serão apresentados os resultados obtidos junto ao povo para definir quem será o candidato a prefeito. Shirley Targino disse ainda que independente de quem for o nome escolhido para encabeçar a chapa de prefeito, o nome do atual vice-prefeito, Pôla Pinto está confirmado como vice. “Sempre tivemos um ótimo relacionamento político e pessoal com Pôla e por tudo que ele tem feito por Messias Targino, achamos melhor manter o seu nome como vice”, acrescentou.
Procurado o vice-prefeito se limitou a dizer que está com o grupo e o fosse decido ele apoiaria. “Sempre procuramos discutir e defender o que for melhor para o grupo. Então apoiarei qualquer decisão que sirva para fortalecer ainda mais o nosso grupo e dar continuidade as mudanças positivas que vem ocorrendo em Messias Targinos nos últimos 12 anos”, disse.

COGITADO PARA DISPUTAR PREFEITURA DE NATAL, DEPUTADO RAFAEL MOTTA PODE APOIAR CANDIDATURA DE KELPS LIMA.

A pré-candidatura a prefeito de Natal, do deputado federal Rafael Motta (PSB) parece ter subido no telhado.
É simples identificar, que a poucos dias do fim do prazo das convenções, não há nenhum movimento em torno do nome de Rafael.
No grupo do deputado estadual Ricardo Motta (PSB), pai de Rafael, até se fala em candidatura, mas…o assunto para na falta de articulação.
Na falta de um apoio cogitado mas esmorecido, do governador Robinson Faria (PSD).
Ao Blog, um aliado de Rafael já falou na possibilidade do PSB de Ricardo e Rafael apoiar a pré-candidatura do deputado Kelps Lima (SD).

Fonte: Thaísa Galvão

ALA OPOSICIONISTA DE VENHA-VER DEVE RATIFICAR CHAPA CÉLIO PINICAPAU/SANDRO DIA 31.


BRIGA DE FACÇÕES GERA TIROTEIO E CRIMINOSOS GRAVAM AÇÃO.

A briga entre facções criminosas tem provocado conflitos e assustado moradores da comunidade da África, na Redinha, em Natal. Um dos tiroteios registrados nesta semana foi gravado em um celular pelos próprios envolvidos, que se intitulam nas imagens membros do Primeiro Comando da Capital. A rivalidade seria entre o PCC e o Sindicato do RN que disputam espaço naquela localidade. Moradores, que preferem não se identificar, confirmam que os tiroteios são frequentes e, inclusive, existe toque de recolher.
Ainda de acordo com o que foi apurado pelo Portal BO, o caso registrado em um VÍDEO de celular e divulgado nas redes sociais aconteceu em um ponto conhecido como “Beco do Embaço”. A polícia, apesar de não confirmar oficialmente que o tiroteio gravado aconteceu na Redinha, afirma que está investigando o caso e tentando identificar os envolvidos.

Fonte: Portal BO/Robson Pires

PILÕES: PONTO DE VISTA, POR MARINA RODRIGUES.

A enfermeira Marina Rodrigues, de Pilões, enviou texto ao blog, solicitando sua veiculação. Politizada, Marina emite juízo de valor sobre o instante político no município e diz que a "BATALHA DOS BISTURIS" fica evidente a cada dia...



OPERAÇÃO POLICIAL PRENDE INVESTIGADOS NA PRÁTICA DE ASSALTOS NA CIDADE DE PATU.

Equipe da Polícia Civil da 7ª. DRPC em Patu, com o apoio da Polícia Civil de Umarizal, GTO Patu e RP Patu deflagraram na manhã desta sexta-feira(22) a Operação Juventude Perdida.
Na oportunidade foram cumpridos cinco mandados de prisão e sete mandados de busca e apreensão. Foram presos Ramon da Silva Costa, Bruno Cortez da Silva, Francisco Pedro dos Santos Junior (Junior de Cravo), Gledson Kaio Gomes ( Gledson de Mané Bode), Welison Osório de Souza e o menor C.M.S.J, e apreendida certa quantidade de drogas, munições de uso restrito, bem como aparelhos celulares.
Todos os custodiados são investigados de pertecerem à quadrilha especializada em assaltos que vitimavam principalmente jovens da cidade de Patu e cidades vizinhas.
Dentre os bens que a quadrilha costumava subtrair estavam aparelhos celulares, dinheiro e motocicletas. Alguns dos alvos da operação também estão sendo investigados da prática de tráfico de drogas.

Fonte: Nosso Paraná RN/Patu em Foco

MPRN COBRA REALIZAÇÃO DE CONCURSO PÚBLICO PARA A POLÍCIA CIVIL.

Promotoria cobra abertura de vagas para delegado, agente e escrivão.
Abertura do inquérito foi publicada no Diário Oficial do RN desta sexta (22).

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) instaurou um inquérito civil para tratar da realização de concurso público para a Polícia Civil no estado. De acordo com o promotor Vitor Emanuel de Medeiros Azevedo, responsável pela abertura do inquérito civil, devem ser preenchidos os cargos de delegado, escrivão e agente. A abertura do inquérito foi publicada no Diário Oficial do Estado desta sexta-feira (22).
De acordo com o promotor, existem pelo menos 3.608 cargos vagos na Polícia Civil do estado. O número é mais de três vezes superior ao limite estabelecido em lei para que seja realizado concurso público para a instituição. Segundo o promotor, em agosto de 2015 já existiam vagos 185 cargos de delegado, 614 de escrivão e 1.123 de agentes estariam vagos em agosto de 2015.
Com a instauração do inquérito, o promotor estabeleceu um prazo de 10 dias para que o delegado geral de Polícia Civil informe a quantidade de cargos de delegados, escrivães e agentes preenchidos e vagos.
O mesmo prazo foi estabelecido para que o Secretário de Segurança Pública e Defesa Social comunique se há algum procedimento administrativo para realização de concurso público. No caso de já haver algum processo em andamento, o promotor ainda pede a discriminação do número de vagas para cada cargo, o atual estágio do procedimento e a expectativa para sua conclusão.

Fonte: G1

SISTEMA PRISIONAL DO RN CRIA SETOR DE INTELIGÊNCIAS PARA COMBATER FACÇÕES.

Foi criada nesta sexta-feira (22), por meio de uma portaria publicada no Diário Oficial do Estado do Rio Grande do Norte, a Seção de Inteligência e Informações Penitenciária (SI) da Secretaria da Justiça e da Cidadania (Sejuc). O setor, segundo o secretário Wallber Virgolino, “vai subsidiar estrategicamente a própria Sejuc, além de subsidiar todo o sistema de segurança pública estadual no combate ao crime organizado”.
A criação da SI, ainda segundo Virgolino, é um feito histórico para o estado: “Pela primeira vez na história do sistema penitenciário potiguar foi criada e está sendo estruturada uma Seção de Inteligência. Esse setor é de fundamental importância, tendo em vista que o Sispen é um celeiro de informações”, ressaltou.
O secretário ressaltou que o setor já está funcionando, mas que em agosto haverá um curso de formação e capacitação com a abertura de 40 vagas. Destas, 35 serão destinadas para agentes penitenciários de carreira e cinco para agentes de outras instituições. “Queremos ter pelo menos um agente em cada uma das 33 unidades prisionais do estado. Este pessoal vai ficar responsável por informações que irão colaborar com a segurança pública de um modo geral. Sabemos que muitos crimes são planejados a partir dos presídios, por isso a importância de a nossa Inteligência atuar, principalmente, dentro das unidades”, reforçou Virgolino.

Fonte: G1/Política em Foco

sexta-feira, 22 de julho de 2016

MINISTÉRIO PÚBLICO PODE ESCOLHER A POLÍCIA QUE QUER PARA INVESTIGAR.

Polícia Judiciária tem competência exclusiva em determinados crimes, mas Tribunal da Relação de Lisboa diz não haver ilegalidade se Ministério Público quiser outra autoridade.

Há uma lei que atribui à Polícia Judiciária a competência exclusiva para investigar crimes como homicídios, associações criminosas, corrupção, mas se o Ministério Público decidir atribuir o processo a outra polícia, não há nenhuma ilegalidade nisso. Foi assim que, em junho, o Tribunal da Relação de Lisboa decidiu, após um recurso de um dos arguidos da Operação Fénix, caso que envolve o presidente do clube e da Sociedade Anónima Desportiva para o futebol do FC Porto, Pinto da Costa, e Antero Henrique, vice-presidente dos portistas e administrador da SAD.
No recurso apresentado, a defesa alegou que, logo no início da investigação, a PSP de Lisboa fez uma informação, na qual considerou que poderiam estar em causa crimes "suscetíveis de integrar a prática de associação criminosa e corrupção". No mesmo documento, a PSP solicitou ao procurador do Departamento Central de Investigação e Ação Penal a abertura formal de um inquérito, pedindo que a competência para o investigar fosse em si delegada. Dias depois, um despacho do magistrado delegaria na Divisão de Investigação Criminal da PSP a "competência para a realização das diligências de investigação".
Mal, segundo a defesa do arguido: "Estando em investigação estes crimes, pretende o Ministério Público delegar a competência que lhe é constitucional e legalmente atribuída para a prática de atos de inquérito necessários a realizar tal investigação, só poderia delegar essa competência na Polícia Judiciária", por força da Lei da Organização da Investigação Criminal (LOIC), que atribui à PJ a "competência reservada" para investigar crimes de corrupção e associação criminosa. Daí que, no recurso, tenha defendido que todos os atos praticados pela PSP deveriam ser declarados nulos, no fundo, todo o processo cairia.
Mas, além da LOIC, há o Código do Processo Penal. E este último diploma não estabelece nenhum critério para definir qual a polícia que deve investigar determinado crime. "O Código do Processo Penal não faz qualquer distinção dos Órgãos de Polícia Criminal (OPC); para esse diploma todos são idênticos, sendo-lhe totalmente alheia a ideia de competências próprias para coadjuvação", respondeu o Ministério Público ao recurso do arguido. Para o procurador, num processo penal o que vale é o respetivo Código e este não prevê nenhuma nulidade dos atos em matéria de delegação de competências de uma investigação numa polícia. Logo, ainda segundo o magistrado, a LOIC é uma mera "lei de regulação administrativa", sem efeitos no processo.
Uma argumentação que teve acolhimento junto das desembargadoras da Relação de Lisboa: "Resulta que, embora a PJ tenha competência reservada para a investigação criminal relativamente aos crimes de catálogo, nos termos da Lei especial LOIC, alguns dos quais em investigação nestes autos, na verdade, nada proíbe que o MP, enquanto detentor originário da investigação, ordene a realização de diligências dessa investigação a OPC diferente".

Fonte: Online News

RAPIDINHAS DO RNPOLITICAEMDIA E SUAS DOSES HOMEOPÁTICAS...

Só mais tarde...
Ainda terás tempo de comprar seu Lexotan ou genérico qualquer.
Aguardemos...

PP ACIONA JUSTIÇA ELEITORAL PARA INVESTIGAR APÓCRIFOS CONTRA ROSALBA.

O Partido Progressista de Mossoró entrou com uma notícia crime na Justiça Eleitoral pedindo a abertura de investigação para apurar a distribuição de panfletos apócrifos com a intenção de denegrir a imagem da pré-candidata do partido à prefeitura, Rosalba Ciarlini. Na tentativa de ofender Rosalba, além de apresentar informações inverídicas, o material atribui ao jornal Tribuna do Norte uma matéria que ele não publicou.
O PP entrou com a ação depois que foram identificadas algumas das pessoas que estavam distribuindo os panfletos. Segundo os advogados do partido, a intenção não é prejudicar aqueles que estavam distribuindo, mas a partir deles chegar aos responsáveis pela produção do material.

Fonte: Tribuna da Justiça

TETO DE GASTO POR ELEITOR É O DOBRO EM CIDADE MENOR.

A lei que instituiu um teto de gastos para as campanhas eleitorais criou uma distorção matemática. Em 3.794 municípios brasileiros com menos de 10 mil eleitores, a nova regra prevê um limite máximo de R$ 108 mil em despesas eleitorais para os candidatos a prefeito, conforme divulgado ontem pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Esse limite é, proporcionalmente ao número de eleitores, quase duas vezes maior do que a média estabelecida para as cidades grandes, onde há disputa de segundo turno.
Aprovada no fim do ano passado pelo Congresso Nacional em meio a uma série de novas normas para o financiamento de candidatos, a regra do teto de gastos eleitorais foi a primeira que colocou um limite de fato no custo máximo das campanhas no Brasil. Antes, a legislação exigia do Legislativo a aprovação de uma lei a cada ano eleitoral estabelecendo um gasto máximo para cada cargo. Como isso nunca aconteceu, os próprios candidatos e partidos eram quem estabelecia seus tetos.
Segundo a nova lei, o limite de despesas nas próximas eleições para prefeito, governador e presidente será de 70% do maior valor declarado nas últimas disputas para o mesmo cargo. Entretanto, há um teto mínimo para as cidades com menos de 10 mil eleitores: R$ 108 mil para cada candidato a prefeito, em valores atualizados. Caso 70% do maior gasto na eleição de 2012 seja menor que isso, fica valendo esse limite.
De acordo com a lista divulgada pelo TSE, 3.794 municípios estão nessa situação, representando um eleitorado que, no total, supera os 32 milhões. Neles, o teto máximo de gastos por eleitor nas eleições para prefeito será de R$ 12,60 – o dobro do total previsto para a disputa de primeiro turno nas cidades com mais de 200 mil habitantes, que será de R$ 6,40 por eleitor, conforme o tribunal.
A distorção é ainda maior nos municípios com menor população apta a votar. Como o teto é o mesmo para todos que têm 10 mil eleitores ou menos, os candidatos às prefeituras de cidades com cerca de 1 mil eleitores terão um limite de cerca de R$ 100 para cada voto.
O candidato a prefeito de Serra da Saudade (MG), menor município em população do País, poderá gastar R$ 107 a mais por voto do que os candidatos de São Paulo, maior cidade brasileira. Como o município mineiro possui apenas 959 eleitores, o custo máximo por voto poderá chegar a R$ 112 – valor mais de 20 vezes maior do que o limite estabelecido para capital paulista, que tem 8,8 milhões de eleitores: R$ 5,1 por voto.
O mesmo fenômeno se repete nas disputas pelas câmaras municipais. Nessas campanhas, o teto mínimo para os candidatos a vereador nos municípios pequenos será de R$ 10,8 mil. Por isso, um candidato na cidade de Nova Lacerda (MT), por exemplo, poderá declarar gastos de R$ 104 por eleitor – um número mais de 500 vezes maior do que o custo per capita máximo previsto para Feira de Santana (BA) e Itajubá (MG), cidades de médio porte em que o teto de despesas para concorrentes a vereador é de apenas R$ 0,20 por voto.
Em valores absolutos, a cidade em que os candidatos a prefeito poderão gastar o maior volume de recursos será São Paulo, de acordo com o TSE. Cada concorrente à Prefeitura poderá gastar, no máximo, R$ 45 milhões no primeiro turno e R$ 13 milhões no segundo. Em seguida, estão Belo Horizonte (R$ 26,7 milhões e 8 milhões) e Rio (R$ 19,8 milhões e R$ 5,9 milhões). Já Palmas será a capital cujo gasto máximo por candidato a prefeito será o menor: apenas R$ 108 mil no primeiro turno, o mesmo valor previsto para as cidades de pequeno porte.
Na disputa para as câmaras municipais, o maior teto entre as capitais também será o de São Paulo. Um candidato a vereador na capital paulista poderá declarar até R$ 3,2 milhões em gastos de campanha.

Fonte: Gláucia Lima

JOÃO SANTANA DIZ TER MENTIDO PARA POUPAR DILMA.

Interrogado pelo juiz Sérgio Moro num dos inquéritos do petrolão, o marqueteiro João Santana admitiu que os US$ 4,5 milhões depositados pelo lobista Zwi Skornicki em sua conta secreta na Suíça referem-se a serviços que prestou à campanha de Dilma Rousseff em 2010. Tudo no “caixa dois”, escondido da Justiça Eleitroal. Reconheceu que mentiu ao afirmar, em depoimento que prestou em fevereiro, que a verba fora amelhada em campanha no exterior. Falseou a verdade para não incriminar Dilma.
“Eu achava que isso poderia prejudicar profundamente a presidenta Dilma”, afirmou Santana. “Eu raciocinava comigo: eu, que ajudei, de certa maneira a eleição dela, não serei a pessoa que vai destruir a Presidência. Nessa época, já iniciava um processo de impeachment. Mas ainda não havia nada aberto. Eu sabia que isso poderia gerar um grave problema, sinceramente, até para o próprio Brasil.”
O juiz da Lava Jato interrogou também Mônica Moura, mulher e sócia do marqueteiro do PT. Ela soou como se houvesse combinado o enredo com o marido. Disse que o PT ficara devendo R$ 10 milhões da campanha de 2010. Cobrou a dívida de João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do PT, preso em Curitiba. E foi orientada a procurar Zwi Skornicki, representante no Brasil do estaleiro Keppel Fels. Com atraso de três anos, o pagamento foi feito em parcelas, entre 2013 e 2014.
A exemplo do marido, Mônica também mentira em seu primeiro depoimento. Por quê?, quis saber Sérgio Moro. “O pais estava vivendo um momento muito grave institucionalmente, político… As coisas que estavam acontecendo em torno da presidente Dilma. […] Para ser muito sincera: eu não quis atrapalhar esse processo, não quis incriminá-la, […] eu achava que ia contribuir para piorar a situação do país falando o que realmente aconteceu. E eu acabei falando que foi o recebimento de uma campanha no exterior.”
Moro questionou Santana e Mônica sobre outros US$ 3 milhões depositados pela Odebrecht na mesma conta mantida pelo marqueteiro na Suíça entre 2012 e 2013. A encrenca é apurada noutro inquérito. E ambos, orientados pelos advogados, disseram que só falarão sobre o tema quando forem marcados os depoimentos relativos ao processo específico. O primeiro-casal da marquetagem negocia acordos de delação premiada com a força-tarefa da Lava Jato. Mônica disse a Moro que desejava falar também sobre os vínculos com a Odebrecht. Mas gostaria de fazê-lo como candidata a beneficiária de compensações judiciais.
A despeito de terem silenciado sobre as verbas de má origem recebidas da maior empreiteira do país, Santana e Mônica foram muito explícitos ao discorrer sobre os porões das campanhas eleitorais. Falaram com tal desembaraço sobre o caixa dois que não restou nenhuma dúvida quanto à utilização do mecanismo em todas as campanhas eleitorais que tocaram —entre elas a a reeleição de Lula, em 2006, e as duas disputas presidenciais vencidas por dilma em 2010 e 2014.
“Não acha que receber esses recursos por fora significa trapaça?”, indagou Moro a Santana. E ele: “Acho que significa, antes de tudo, um constrangimento profundo, é um risco, é um ato ilegal. É preciso rasgar o véu de hipocrisia que cobre as relações políticas e eleitoras no Brasil e no mundo. Não defendo [o caixa dois], sempre relutei.”
VEJA MATÉRIA NA ÍNTEGRA CLICANDO AQUI

Fonte: Josias de Souza/UOL

quinta-feira, 21 de julho de 2016

O DATAFOLHA E A FRAGILIDADE DAS INSTITUIÇÕES.

A polêmica da última pesquisa revela a debilidade do processo democrático no Brasil.

Transcorrem nos últimos dias duas teses a respeito da polêmica a envolver a mais recente pesquisa de opinião do Datafolha. A primeira é que o jornal Folha de S.Paulo, dono do instituto e contratante da pesquisa, deliberadamente fraudou o levantamento de forma a produzir resultados favoráveis ao presidente interino Michel Temer (PMDB). A segunda é que as incongruências na divulgação dos números e na construção das perguntas foram fruto de uma leitura equivocada dos dados.
Desvendar a resposta não é uma tarefa exatamente simples, mas o mais importante é que o caso revela a fragilidade de duas instituições determinantes para o processo democrático: o jornalismo e as pesquisas de opinião.
Em primeiro lugar, é preciso esclarecer os erros da pesquisa. Em abril, quando Dilma Rousseff ainda estava no Palácio do Planalto, o Datafolha foi às ruas e perguntou aos eleitores (em PDF): Caso a presidente Dilma e o vice-presidente Michel Temer sejam cassados ou renunciem aos seus cargos seriam convocadas novas eleições presidenciais. Você é a favor ou contra a realização de nova eleição para presidente da República?
Naquele momento, 79% dos entrevistados se disseram a favor de novas eleições e o dado foi divulgado com destaque pelo jornal.
No último fim de semana, com Temer no poder, a Folha divulgou nova pesquisa e "informou" que apenas 3% dos eleitores eram favoráveis a novas eleições. Ocorre que a pergunta apresentada em abril e a feita em julho eram completamente diferentes.
Como destacou o site The Intercept, neste mês o Datafolha (orientado pela Folha, contratante da pesquisa) ofereceu um cenário alternativo (em PDF): Na sua opinião, o que seria melhor para o país: que Dilma voltasse à Presidência ou que Michel Temer continuasse no mandato até 2018?
PARA VER A MATÉRIA COMPLETA, CLIQUE AQUI

Fonte: José Antônio Lima - Carta Capital

JANDUÍS: SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO EMITE DIREITO DE RESPOSTA.

Após veiculação, hoje pela manhã, da entrevista com o vereador e pré-candidato a vice-prefeito de Janduís, Jacinto Fernandes, onde foi citado pelo parlamentar que o estado das escolas do município merecia atenção especial, onde, segundo Jacinto Fernandes, a estrutura das escolas são "deficitária e decadente", a secretária de educação, Ady Gurgel, solicitou ao blog DIREITO DE RESPOSTA.

QUE A VERDADE SEJA DITA 
ESCOLAS MUNICIPAIS COM MELHORIAS EM JANDUÍS

A gestão municipal iniciou no ano de 2013 um conjunto de obras, reformas e manutenção das escolas municipais de Janduís. As melhorias visaram recuperar a estrutura física de todas as escolas e creches da rede municipal de ensino, deixadas em condições precárias por gestões anteriores, ameaçando a segurança dos estudantes matriculados nessas unidades de ensino, assim como professores e profissionais.
Foi o caso da Escola Municipal Professor Leonel Cicero, a primeira a ser reformada no ano de 2014 pela atual gestão, que conseguiu com recursos próprios, reformar a escola que encontrava- se em estado deplorável, inclusive sem carteiras. “O espaço escolar deve ser um ambiente agradável, que possibilite a realização das ações educativas com qualidade. E a manutenção da infraestrutura, há muito esperada pela comunidade escolar, foi um compromisso firmado pela prefeita Lígia Félix para propiciar às nossas crianças, jovens, adultos e idosos, escolas dignas e transformadoras”. O mobiliário muito antigo, mesas e cadeiras em estado precário, mas foi adquirido conjuntos diferenciados de carteiras coloridas através do FNDE, que foram entregues a 3 das 6 escolas municipais, deixando as escolas mais alegres, confortáveis e mais convidativas.
As escolas localizadas na zona rural, Antônia Eurli de Brito e José Thomaz, foram também controladas com melhorias consideráveis, onde foi inaugurada uma sala de brinquedoteca com diversos itens, como livros didáticos e muitas novidades, que fizeram a alegria de todas as crianças. A Creche Tia Alice ganhou uma nova brinquedoteca, manutenção do parque que encontrava- se paralisado, aguardando melhorias dos brinquedos que estavam desgastados e enferrujados, e teve toda sua estrutura pintada e renovada.
Já na Escola Municipal Prof. Aluízio Gurgel foi feita uma reforma significativa, já que a escola estava completamente deteriorada, com janelas, portas e paredes totalmente destruídas, dando uma nova vida para escola, novos bebedouros, cozinha reformada com equipamentos novos, e a reconstrução do pátio da escola que tinha caído há muitos anos, foi reconstruído.
A Escola Prisco Serafim Duarte estará passando por melhorias ainda esse mês, para receber os alunos na voltas ás aulas, porém a mesma também recebeu novos itens para a brinquedoteca, playground e livros interativos e laboratório de matemática.
Esses últimos 3 anos que passaram, foi realizado inúmeras benfeitorias nas escolas municipais, e desde já convidamos a todos para visitar nossas escolas e comprovar pessoalmente essa realidade.
SEBASTIANNE ADJASÍLVIA P GURGEL
SECRETÁRIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO